Saltar para o conteúdo (tecla de atalho c)

Presidência da República Portuguesa

Presidência da República Portuguesa

Presidente da República homenageia memória de José Mário Branco

Foi com consternação que o Presidente da República recebeu a triste notícia do falecimento de José Mário Branco, uma figura que ajudou a marcar uma viragem histórica em Portugal.

Foi uma referência do período de resistência à ditadura, da revolução e pós-revolução de Abril e de uma geração que, através da sua voz, exprimiu a vontade de mudança política económica e social na sociedade portuguesa: O seu desaparecimento representa uma grande perda. Era uma pessoa muito independente, muito firme nas suas convicções e muito mobilizador por uma certa austeridade de comportamento e firmeza na luta. Foi sempre um revolucionário, um insatisfeito, desejando sempre muito mais e muito melhor.

José Mário Branco era um escritor de canções, e um dos mais consensuais músicos portugueses, embora tenha sempre sido um homem de convicções, mais do que de consensos. A sua música era trauteada e cantada por pessoas de vários quadrantes políticos, mas aquilo que marcava a sua música era um desejo de mudança profundo, sincero.

A música moderna portuguesa deve-lhe não apenas os seus discos, magistrais, mas também aqueles que produziu, o trabalho de todos os artistas que, além do talento que têm, evoluíram e aprimoram com José Mário Branco a sua voz, a sua dicção, a sua arte, nomeadamente os fadistas.

A sua forte consciência política, que se manifestou nas canções, nas tomadas de posição, e, em vários momentos, na militância, não o impediram de contribuir para resgatar um género como o fado de definições e constrangimentos e entendimentos redutores.

Desde 1971, quando gravou “Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades”, exilado em Paris, que José Mário Branco foi, depois de José Afonso (com quem colaborou), o nome fundamental da música portuguesa, uma música portuguesa moderna, consciente de uma história que vem dos cancioneiros, interventiva, atenta à canção francesa e brasileira e ao folk e ao jazz anglo-saxónicos.

Disco a disco, mesmo depois do regresso a Portugal e da democracia, escreveu sobre margens, resistências, solidariedade, primeiro de forma combativa, mais tarde num registo quase elegíaco, não conformado. Tornou as canções, as suas e as dos outros, sofisticadas em termos de arranjos e orquestrações, mas intensas e genuínas no que diziam e no modo como diziam, exprimindo a exigência e a inquietação de um artista maior.

À sua família, e em especial à sua mulher, Manuela de Freitas, o Presidente da República exprime o seu pesar e a sua gratidão.

English Version

All the contents of this website can be listen by clicking on this symbol:


This tool also allows you to translate all the contents of this website into English and 17 other languages, including the News area, which is only available in Portuguese.

Translations are provided by Google Translate

Este sítio utiliza cookies apenas para melhorar a funcionalidade e a sua experiência de utilização. Ao navegar neste sítio está a consentir a utilização dos mesmos.
Ocorreu um erro durante o envio da mensagem.
Por favor tente mais tarde.