Saltar para o conteúdo (tecla de atalho c)

Presidência da República Portuguesa

Presidência da República Portuguesa

Presidente da República evoca Cruzeiro Seixas

Artur do Cruzeiro Seixas, que nos deixou depois de uma vida longa e livre, foi uma figura multímoda da cultura portuguesa. A sua geração, que na década de 1940 aprendeu e transpôs as lições do surrealismo francês (indistinção entre a arte e a vida, porosidade dos géneros artísticos, liberdade irreverente, imprevisibilidade inventiva, humor desconstrutivo), revolucionou o nosso panorama artístico e literário.

Nas pinturas, desenhos, colagens e objetos de Cruzeiro Seixas, como na sua considerável produção poética, o mundo reencanta-se: é uma vez mais maravilhoso, insólito, fantástico, enigmático. A sua imaginação soberana é uma imaginação de encontros (encontro de textos, de pessoas, de imagens), uma poética de encontros. Mais do que um «cadáver esquisito», feito de elementos diversos, é um vivíssimo corpo em metamorfose, com uma «volúpia da vitalidade» que lhe confere unidade na diversidade, através das décadas e dos diferentes registos plásticos e poéticos.

As obras de Cruzeiro Seixas, para citar versos seus, «sabem ler nos mapas mais secretos / e de olhos vendados / o intensíssimo / amor dos relâmpagos». É esse segredo nunca desvendado, esse amor dos relâmpagos, que devemos a Mestre Cruzeiro Seixas.

English Version

All the contents of this website can be listen by clicking on this symbol:


This tool also allows you to translate all the contents of this website into English and 17 other languages, including the News area, which is only available in Portuguese.

Translations are provided by Google Translate

Este sítio utiliza cookies apenas para melhorar a funcionalidade e a sua experiência de utilização. Ao navegar neste sítio está a consentir a utilização dos mesmos.
Ocorreu um erro durante o envio da mensagem.
Por favor tente mais tarde.