Saltar para o conteúdo (tecla de atalho c)

Sítio Oficial de Informação da Presidência da República Portuguesa

Sítio Oficial de Informação da Presidência da República Portuguesa

Mensagem do Presidente da República ao País sobre o fim do segundo estado de emergência

Portugueses,

Ouvidos, hoje de manhã, os especialistas, à tarde, os partidos com assento na Assembleia da República, e, naturalmente, ao longo destas semanas, o Governo, tudo visto e ponderado, decidi não renovar o estado de emergência.

Nesta decisão pesou a estabilização e até a descida do número médio de mortes, de internados em enfermaria e em cuidados intensivos, assim como a redução do R - indicador de contágio -, bem como a estabilização do número de infetados, ou seja, a incidência da pandemia.

Pesou também o avanço em testes e, ainda mais importante, em vacinação, que saúdo e incentivo.

Pesou o já terem decorrido mais de um mês sobre a Páscoa e a primeira abertura das aulas, e mais de três semanas sobre a segunda abertura das escolas.

Pesou, ainda, o que significaria como reconhecimento do consistente e disciplinado sacrifício de milhões de portugueses, desde novembro, e, mais intensamente, desde janeiro, e também como sinal de esperança mobilizadora, para o muito que nos espera – a todos –, na vida e na saúde, na economia e na sociedade.

Portugueses,

É bom que fique, no entanto, claro aquilo que têm dito os especialistas neste domínio, que passámos uma fase que era a de ver a luz ao fundo do túnel, para termos uma luminosidade crescente no nosso dia a dia, não estamos, no entanto, numa época livre de Covid, livre de vírus, podemos infetar os nossos contactos e permitir que a doença continue a transmitir-se. Enfrentamos, ademais, o risco de novas variantes menos controláveis pela vacina, à medida que se multiplicam os contactos e as infeções.

Tudo isto justifica uma preocupação preventiva de todos nós. Cada passo, é um passo baseado na confiança coletiva e temos de poder contar, nas palavras de uma especialista, com cada um de nós.

Este é, aliás, o momento para agradecer aos especialistas, nomeadamente aos epidemiologistas e aos cultores da saúde pública, que juntaram a sua dedicação a todo o incansável pessoal de saúde, os mais heróis dos heróis desta pandemia.

O passo por mim hoje dado é baseado na confiança, numa confiança que tem de ser observado por cada um de nós.

E por isso mesmo, sem estado de emergência, como tem feito – e bem – o Governo e o Senhor Primeiro-Ministro tornado claro nas suas intervenções, há que manter ou adotar todas as medidas consideradas indispensáveis para impedir recuos, retrocessos, regressos a um passado que não desejamos.

E eu acrescento que, se necessário for, não hesitarei em avançar com novo estado de emergência, se o presente passo não deparar, ou não puder deparar, com a resposta baseada na confiança essencial para todos nós.

Portugueses,

Estou-vos grato por este ano e dois meses de corajosa, e como disse, disciplinada resistência.

Sei que cada abertura implica mais responsabilidade e que os tempos próximos serão ainda muito exigentes.

Eu acredito na vossa sensatez e solidariedade.

Numa luta que é de todos.

E nessa luta “Temos de poder contar com cada um de nós”.

E eu digo mais: Cada português conta. E vai contar. Porque cada português sabe que é Portugal.

Relacionados

English Version

All the contents of this website can be listen by clicking on this symbol:


This tool also allows you to translate all the contents of this website into English and 17 other languages, including the News area, which is only available in Portuguese.

Translations are provided by Google Translate

Este sítio utiliza cookies apenas para melhorar a funcionalidade e a sua experiência de utilização. Ao navegar neste sítio está a consentir a utilização dos mesmos.
Ocorreu um erro durante o envio da mensagem.
Por favor tente mais tarde.