Saltar para o conteúdo (tecla de atalho c)

Sítio Oficial de Informação da Presidência da República Portuguesa

Sítio Oficial de Informação da Presidência da República Portuguesa

Presidente da República evoca Ana Luísa Amaral

O Presidente da República lamenta com grande pesar o falecimento de Ana Luísa Amaral, escritora, tradutora e professora de Literatura e Cultura Inglesa e Americana na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Tendo-se estreado em livro em 1990 com «Minha senhora de quê», uma década e meia depois, entre a primeira «poesia reunida», publicada em 2005, e a segunda, em 2010, tornou-se claro que nenhum roteiro da poesia portuguesa das últimas décadas ficava completo sem Ana Luísa Amaral, não pelas semelhanças com outros, mas pelas singularidades: determinada temática, determinada imagética, e uma certa toada, melódica e dissonante, tocante e irónica.

Seguiram-se anos especialmente prolíficos: novos livros, versões de Emily Dickinson, de Louise Glück, de Margaret Atwood, dos sonetos de Shakespeare, traduções de livros seus na Europa e nas Américas. Prolíficos também em prémios, uns nacionais (APE de Poesia, PEN de Narrativa, Jacinto do Prado Coelho de ensaio, Vergílio Ferreira), outros internacionais (de que se destaca em 2021 o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-americana).

Mais recentemente, em abril deste ano, o Presidente da República condecorou a poetisa com o grau de Comendador da Ordem de Sant’Iago da Espada e a entrega das insígnias estava prevista para a abertura da Feira do Livro do Porto, no final deste mês, onde seria, e será, homenageada.

E se esse percurso literário tem sido amplamente reconhecido, lembremos que nunca esteve desligado quer da carreira universitária, na Universidade do Porto, quer da intervenção cívica: a tese sobre Dickinson, os ensaios sobre as «Novas Cartas Portuguesas», o «Dicionário de Crítica Feminista», o empenhamento em causas culturais, sociais e políticas.

Escapando à homogeneidade um pouco fictícia das «gerações», Ana Luísa Amaral não deixou de ser veementemente do seu tempo; diversificando os seus trabalhos, produziu uma incindível unidade. Para usarmos os versos de um dos seus poemas mais conhecidos, podemos dizer que o «excesso mais perfeito» é aquele que abdica da soberba mas não da ambição.

English Version

All the contents of this website can be listen by clicking on this symbol:


This tool also allows you to translate all the contents of this website into English and 17 other languages, including the News area, which is only available in Portuguese.

Translations are provided by Google Translate

Este sítio utiliza cookies apenas para melhorar a funcionalidade e a sua experiência de utilização. Ao navegar neste sítio está a consentir a utilização dos mesmos.
Ocorreu um erro durante o envio da mensagem.
Por favor tente mais tarde.